Fandom

CeraWiki

Mira Schendel

9.402páginas en
el wiki}}
Crear una página
Discusión0 Compartir

¡Interferencia de bloqueo de anuncios detectada!


Wikia es un sitio libre de uso que hace dinero de la publicidad. Contamos con una experiencia modificada para los visitantes que utilizan el bloqueo de anuncios

Wikia no es accesible si se han hecho aún más modificaciones. Si se quita el bloqueador de anuncios personalizado, la página cargará como se esperaba.

[[Imagem:02279-Mira-Schendel---Compo.jpg|thumb|right|200px|Composição com letras e números (díptico), têmpera sobre tela, 1981. Acervo do Museu de Arte do Rio Grande do Sul Ado Malagoli]] Mira Schendel ou Myrrha Dagmar Dub (Zurique, 7 de junho de 1919São Paulo, 24 de julho de 1988) foi uma artista plástica suíça radicada no Brasil.

Muda-se para Milão, na Itália, na década de 1930, onde estuda Filosofia na Universidade Católica e, a partir de 1936, também freqüenta a escola de arte. Entretanto, com a Segunda Guerra Mundial (1939-1945) acaba abandonando os estudos e, em 1946, muda-se para Roma. Finalmente, em 1949, obtém permissão para vir ao Brasil, onde fixa-se em Porto Alegre. Ali, além de pintar, trabalhar com cerâmica, estuda, publica poesias e dá também aulas de pintura.

Sua participação na 1ª Bienal Internacional de São Paulo, em 1951, lhe permite contato com experiências internacionais e a inserção na cena nacional. Dois anos depois, em 1953, muda-se para São Paulo e adota o sobrenome Schendel.

Na década de 1960 produz mais de dois mil desenhos com a técnica da monotipia em papel-arroz. Estes são divididos em subgrupos, apelidades de "linhas", "arquiteturas (linhas em forma de u), "letras" (alfabeto e símbolos matemáticos) e "escritas" (em várias línguas).

Em 1966, após a apresentação em Londres de sua série Droguinhas, elaborada com papel-arroz retorcido, conhece o filósofo e semiólogo Max Bense (1910-1990), que contribui para uma de suas exposições e com quem mantem correspontecia até 1975. As peças de acrílico datam de 1968, quando ela produz obras como Objetos Gráficos e Toquinhos.

Entre 1970 e 1971 realiza um conjunto de 150 cadernos, desdobrados em várias séries. Na década de 1980, produz as têmperas brancas e negras, os Sarrafos, e inicia uma série de quadros com pó de tijolo.

Após sua morte, muitas exposições apresentam sua obra dentro e fora do Brasil e, em 1994, a 22ª Bienal Internacional de São Paulo lhe dedica uma sala especial. Em 1997, o marchand Paulo Figueiredo doa grande número de obras da artista ao Museu de Arte Moderna de São Paulo (MAM/SP).

Enlaces externosEditar

Schendel Wikiquote

Plantilla:Esboço-biografia

Categoria:Artistas plásticos da Suíça Categoria:Pintores do Brasil Categoria:Ceramistas do Brasil Categoria:Desenhistas do Brasil Categoria:Suíço-brasileiros

Plantilla:Semiw

Plantilla:Semiw

Spotlights de otros wikis

Wiki al azar